MAUÁ NEWS
NOTICIÁRIO DA CIDADE DE MAUÁ E REGIÃO
NOTÍCIA ANTERIOR
Santo André desocupa terreno invadido por moradores da Zona Leste de SP
PRÓXIMA NOTÍCIA
Alaíde decide demitir Andreia, última pró-Atila no secretariado
quinta-feira, 12 de julho de 2018
Corpo achado em trilha há dois meses é identificado
Foto: Diário do Grande ABC
Resultado de DNA confirma a morte de Gabrielly Marcossi Anselmo, em maio

O corpo encontrado na trilha do Cristal de Paranapiacaba, em Santo André, há dois meses, foi identificado. O exame de DNA confirmou que era de Gabrielly Marcossi Anselmo, que completaria 19 anos em 11 de junho. De acordo com familiares, a garota foi acampar no local com grupo de amigos no dia 22 de maio. Dez dias depois o corpo foi encontrado.

O pai de Gabrielly, Claudemir Carlos Anselmo, 45, diz que, agora que tem a confirmação em mãos, o coração dele fica em paz, embora já tivesse certeza de que o resultado do exame seria positivo. Para Anselmo, o fato filha ser “doidinha” e ter o desejo de viver no meio do mato fizeram com que a jovem perdesse a vida.

O ajudante geral relembra que após realizar identificação de objetos pessoais da menina – encontrados com integrantes do grupo que acampava –, e também foto do corpo, não havia dúvida de que era sua filha. “Eu já sabia que era a Gaby, mas é um alívio ter a certeza. Ainda dói saber que ela foi e não volta mais. Agora temos de esperar a investigação achar o responsável pelo crime.”

A mãe da menina, Sandra Marcossi, 45, conversou com a equipe do Diário após receber o exame de DNA, ontem, na Delegacia de Homicídios de Santo André. “Mesmo diante de todas as provas de que era a Gaby que tinha sido morta, pedi o exame (de DNA) para ter certeza. Dói muito. Eu ainda tinha esperança de que não fosse minha filha.”

O delegado titular da Delegacia de Homicídios do município, Filipe de Moraes, disse que, por hora, a polícia não pode informar detalhes da investigação para não atrapalhar a busca pelo responsável por assassinar Gabrielly.

O CASO

O corpo foi encontrado no dia 1º de junho, caído em local de difícil acesso – considerada trilha ilegal. De acordo com o IML (Instituto Médico-Legal), a jovem já estava morta há pelo menos dez dias, tendo em vista o estado de decomposição do corpo. O assassinato por degolamento foi confirmado pelo delegado. No entanto, ele ainda não tem suspeito para o caso.
Por: Bia Moço - Diário do Grande ABC