MAUÁ NEWS
NOTICIÁRIO DA CIDADE DE MAUÁ E REGIÃO
NOTÍCIA ANTERIOR
FUABC comunica Mauá que vai romper contrato de gestão
PRÓXIMA NOTÍCIA
Copa do Mundo - Atrium Shopping promove a exposição ''Os Segredos da Hexabilidade''
terça-feira, 5 de junho de 2018
Saúde de Mauá na UTI
A expressão ‘caos na Saúde pública’, tão ouvida nos últimos tempos, tem sentido amplo quando aplicada em referência a Mauá. No último dia do corrente mês a Fundação do ABC deixará de administrar os equipamentos públicos da cidade, inclusive o Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini. O comunicado da descontinuidade dos serviços foi feita pela entidade em razão de dívida no valor de R$ 123 milhões, que desde 2015 não é quitada pela administração do município. A situação é grave e exige cuidados intensivos e imediatos, sob risco de entrar em colapso (se é que já não está).

Vários foram os fatores que somaram-se até chegar ao atual quadro crítico. A Fundação do ABC acusava o prefeito licenciado (e preso) Atila Jacomussi de não pagar integralmente as mensalidades que foram acordadas pelo antecessor, Donisete Braga, e também de inchar o quadro de funcionários com indicações políticas.

Atila, por outro lado, dizia que a Fundação do ABC superfaturava os valores cobrados e ainda prestava serviços de péssima qualidade. Junte-se a isso o fato de que neste período a entidade teve quatro presidentes e a Prefeitura mudou três vezes o responsável pela Saúde, inclusive agora a Pasta está vaga.

O último nome a responder pelo setor em Mauá, Ricardo Burdelis, mostrou-se disposto a resolver o imbróglio e pediu prorrogação do acordo por três meses para poder tomar pé da situação. Acontece que, neste período, ele também deixou a cadeira e, antes da indicação de um substituto, Atila acabou detido pela Polícia Federal por envolvimento na Operação Prato Feito, que investiga desvio de verba na compra de alimentos para a merenda escolar e uniformes.

Hoje, não é exagero afirmar que a Saúde de Mauá está na UTI. E, se nada for feito, vai piorar muito nos próximos dias. O remédio chama-se clareza de gestão. É amargo e necessita ser ministrado com o máximo de urgência. O que se torna bem difícil diante do atual quadro político da cidade. Mas a esperança é a última que morre.
Por: Diário do Grande ABC