MAUÁ NEWS
NOTICIÁRIO DA CIDADE DE MAUÁ E REGIÃO
NOTÍCIA ANTERIOR
Mudança em fluxo de rua confunde motoristas
PRÓXIMA NOTÍCIA
Atrium Shopping cria espaço para colecionadores de figurinhas da Copa
sexta-feira, 13 de abril de 2018
Criação de cargos passa em Mauá
Foto: ABC Repórter
Projeto da gestão Atila aumentou 53 funções apadrinhadas; são 86 novos postos em 1 ano

Sem resistências e em um intervalo relâmpago, a Câmara de Mauá aprovou ontem, em definitivo e por 19 votos a três, projeto do governo do prefeito Atila Jacomussi (PSB) que cria 53 cargos apadrinhados. O texto foi protocolado na Casa às 9h56 de terça-feira e, à tarde do mesmo dia, foi avalizado em primeiro turno. Na manhã de ontem, os parlamentares voltaram a se reunir em sessão extraordinária convocada praticamente para apreciar exclusivamente a formalização dos novos postos.

O saldo de três votos contrários ao projeto, registrado na votação de terça, voltou a se repetir ontem, mas com uma mudança: apoiador da matéria no início da semana, Gil Miranda (PRB) alterou seu voto e acompanhou os oposicionistas Marcelo Oliveira (PT) e Chiquinho do Zaíra (PTdoB) pela rejeição do texto na votação de ontem.

Já Ricardinho da Enfermagem (PTB), que na primeira votação disse ‘não’, resolveu avalizar a criação de cargos. “Votei contra esse projeto porque considero totalmente abusivo e incoerente diante de tantos problemas encontrados na cidade atualmente, onde deixei claro que tomarei as medidas que achar necessárias, até mesmo junto ao MP (Ministério Público)”, escreveu Chiquinho do Zaíra, nas redes sociais.

O petista Marcelo Oliveira subiu à tribuna com uma planilha de cargos e salários do Paço mauaense para criticar a medida. “Parece brincadeira, em momento tão difícil, que exige criatividade, austeridade e economia na utilização do dinheiro do contribuinte, o prefeito Atila Jacomussi vai na contramão da prática da gestão pública responsável e eficiente”, disparou o oposicionista.

Somadas à criação de 33 cargos aprovada em dezembro, as novas funções totalizam 86 novos postos apadrinhados, entre comissionados e gratificados (reservados para servidores efetivos) em apenas um ano de gestão do socialista.

Os salários das vagas criadas ontem variam entre R$ 3.000 e R$ 9.700 e gerarão impacto de aproximadamente R$ 4 milhões por ano na folha de pagamento. A maioria dos cargos (29) será alocada na Secretaria de Saúde e algumas Pastas, como a de Políticas Públicas para as Mulheres – chefiada pela primeira-dama Andreia Rolim Rios, contará com dois secretários adjuntos.

Atila minimizou o aumento de gastos com pessoal e argumentou que as novas vagas vão ajudar a agilizar o atendimento da população nos equipamentos de Saúde do município.
Por: Júnior Carvalho - Diário do Grande ABC