MAUÁ NEWS
NOTICIÁRIO DA CIDADE DE MAUÁ E REGIÃO
NOTÍCIA ANTERIOR
População continua a lotar UBSs por vacina
PRÓXIMA NOTÍCIA
São Bernardo dobra quantidade de doses da vacina contra febre amarela
sexta-feira, 12 de janeiro de 2018
Há grande chance de renovar com FUABC, diz Atila
 Prefeito de Mauá afirma que poderá revalidar o acordo, mas condiciona ato à equação de dívida. Foto: Nario Barbosa/DGABC
O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), afirmou, pela primeira vez, que poderá renovar o contrato com a FUABC (Fundação do ABC), que gerencia os equipamentos de Saúde do município, incluindo a principal unidade, o Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini.

O chefe do Executivo, porém, ponderou que a efetivação de novo acordo dependerá, sobretudo, da equação da dívida que a entidade alega ter direito e que o município vem contestando.

O contrato vigente entre Mauá e a FUABC foi celebrado em 2015, no governo do ex-prefeito Donisete Braga (PT, 2013-2016), e vencerá no fim de fevereiro.

Desde o começo da atual gestão, Atila vem travando queda de braço com a FUABC, que alega que o Paço deve na ordem de R$ 123 milhões. O montante é referente a valores não pagos por serviços prestados ao município. “Se houver a equação da dívida e a apresentação do plano operativo, há grande possibilidade de renovação do contrato (com a FUABC)”, afirmou Atila, ao Diário. O prefeito declarou ainda que aumentou o diálogo com a entidade nos últimos meses. “A relação com a Fundação é muito boa. Depois da chegada do novo superintendente, Carlos Maciel, a relação ficou muito mais próxima, muito mais aberta”, disse o socialista, que, durante a campanha ao Paço, em 2016, disparava críticas ferrenhas ao contrato. O hoje prefeito, inclusive, acusava o antecessor de manter acordo superestimado e com diversas irregularidades.

Do começo do ano para cá, foi justamente esse convênio com a FUABC que intensificou a crise na Saúde no governo, culminando na saída, em dezembro, do ex-vice-prefeito Márcio Chaves (PSD) do comando do setor – assumiu a mesma Pasta em Santo André. Centenas de servidores terceirizados foram demitidos e ainda reclamam que não receberam direitos trabalhistas, virando jogo de empurra de responsabilidades. Enquanto o Paço nega veementemente a autoria das dispensas, a FUABC acusa a gestão Atila das demissões.

Em novembro, o superintendente do Nardini, Vanderley da Silva Paula – terceiro só em 2017 –, pediu demissão alegando ingerências no cargo, mas segue no posto.

Atila evitou falar em números de eventual novo contrato. O município e a FUABC montaram comissão para entrar em acordo sobre o passivo, mas ainda não houve desfecho.
Por: Júnior Carvalho - Diário do Grande ABC