MAUÁ NEWS
NOTICIÁRIO DA CIDADE DE MAUÁ E REGIÃO
NOTÍCIA ANTERIOR
Prefeitura de Mauá realiza mutirão da saúde neste sábado (4)
PRÓXIMA NOTÍCIA
Vazamento da Sama inunda casa no Paranavaí
quinta-feira, 2 de agosto de 2007
Camelôs denunciam truculência em Mauá
Camelôs de Mauá, denunciados pelo Diário, contam que já haviam denunciado violência por parte de guardas civis municipais antes do incidente com o vendedor Antônio Ribeiro dos Santos, 30 anos. Ele acusa três agentes e um fiscal de terem espancado e urinado sobre seu corpo na sede da Coordenadoria de Segurança Alimentar.

O ex-vendedor ambulante Pedro Correia afirma que fez a denúncia de truculência várias vezes. “Uma vez por semana, eles agridem alguém”, conta ele, que agora trabalha com manutenção de eletrônicos.

O secretário de Cidadania e Segurança Comunitária, Reginaldo Sanches Dalóia, negou anteontem ter recebido outras reclamações da conduta de guardas.

As queixas chegaram à Câmara Municipal, conta o vereador petista Paulo Eugênio. “Nenhum vereador concorda com essa atitude. A Câmara deve cobrar a apuração dos fatos”, afirma.

O ex-secretário de Cidadania e Segurança Comunitária e vereador Lourival Lolô Fargiani (PDT) defende a corporação, que já esteve sob sua tutela. “A maioria dos camelôs é pacífica. Mas tem uns dois ou três que atacavam os fiscais. Esse (Antônio) era um deles”, afirma. O único erro da Guarda, segundo ele, foi que os agentes não fizeram boletim de ocorrência da apreensão dos produtos de Antônio, em 7 de junho. O atual titular da Pasta, Reginaldo Sanches Dalóia, afirma que a orientação dada aos agentes, desde o episódio com Antônio, é que seja feito boletim , toda vez que for necessário o uso de força. A versão dada pelos guardas a ele é que Antônio se alterou e que foi necessário contê-lo.

Segundo ele, houve outros casos em que foi necessário “conter” vendedores ambulantes alterados.

Polícia
O delegado titular do 1º Distrito Policial, José Rosa Incerpi, afirma que espera, nos próximos dias, a chegada do exame de corpo de delito feito em Antônio, no Instituto Médico-Legal de São Paulo.

Os guardas reconhecidos por meio de fotografias pelo camelô devem ser convocados a apresentar suas versões na delegacia.
Por: Artur Rodrigues - Diário do Grande ABC / Foto: Thiago Benedetti